sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Adriano Moriê é empossado e partido abre portas para candidatura a deputado


Redação - Rio. A novela que se arrasta há mais de três meses envolvendo o vereador Adriano Moriê (PRP), suspeito de fraudar as eleições de outubro em Queimados, ganhou um novo capítulo nesta sexta-feira (13). Durante sessão extraordinária da Câmara Municipal, o parlamentar foi empossado pelo presidente Milton Campos e já está apto para exercer o cargo de vereador, o qual foi eleito com 1512 votos. A decisão veio após Moriê conseguir revogar no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) a liminar do juiz da zona eleitoral do município, Juiz Luís Gustamos, que impedia que ele fosse diplomado vereador.

Com a posse de Adriano Moriê, Marcelo Lessa (PSC), que assumiu a secretaria de Cultura, volta a ser o primeiro suplente da coligação e Julio Boi, que tinha assumido há poucos dias a vaga de vereador, volta a ser segundo suplente , deixando assim a Casa Legislativa. Ele deve ocupar a secretaria de Esporte e Lazer, conforme anunciara no discurso da posse, o prefeito Carlos Vilela (PMDB).

Com a Câmara Municipal lotada de amigos, familiares, colaboradores e correligionários de partido, Adriano Moriê, foi à Tribuna e, após meses em silêncio, enfim, se pronunciou em público ao realizar o tradicional juramento:  “Prometo cumprir dignamente  o mandato a mim confiado, guardar a constituição e a lei, trabalhando pelo engrandecimento do meu município”, disse antes de ser empossado oficialmente pelo presidente Milton Campos.

Em seguida, Moriê visivelmente emocionado iniciou o seu discurso agradecendo a Deus, à família, aos colaboradores de campanha, ao seu partido e aos vereadores presentes na sessão que torceram por ele. “Vejo a vida por outro ângulo. Tudo que acontece tem um motivo. Hoje, estou muito mais próximo de Deus e da minha família. Está aqui a minha mãe, que é meu orgulho e minha esposa, que é a minha rocha”, disse Moriê às lágrimas. Ele ainda completou: “Tínhamos 120 lideranças, que lutaram muito para que conquistássemos os 1512 votos de forma lícita, fruto de muito trabalho”, garantiu.

Candidatura a deputado?

Durante a sessão, os vereadores utilizaram à tribuna para dar as boas-vindas ao novo colega. Foram o caso dos parlamentares Cinei e Careca. Mas, o discurso que despertou a atenção de todos foi o da presidente estadual do PRP, Eliane Cunha. Segundo ela, Moriê será candidato a deputado pela sigla. “Estadual ou a Federal. Ele que vai escolher”, revelou com exclusividade à RQ.

Quem também falou na Tribuna foi o vereador licenciado e atual secretário de Obras, Alex Dornellas, que está sendo acusado  por compra de votos na eleição. Sem citar nomes, ele acusou um ex-vereador que passou no último mandato pela Câmara de lhe denunciar do esquema de boca urna pelo qual responde na justiça. “Moriê seja bem-vindo de volta. Vamos provar na justiça nossa inocência”, afirmou.


Entenda o caso por completo

Logo após as eleições de outubro do ano passado, o Ministério Público Eleitoral (MPE) decretou a prisão e o afastamento do vereador Adriano Moriê sob a acusação de associação fraudulenta que usava documentos falsos para possibilitar votos no candidato em diversas seções eleitorais da cidade. Na ocasião, o servidor do Tribunal Regional Eleitoral de Queimados, Mário César Pereira Gomes e outras três pessoas foram presas em flagrante com envelopes com 90 documentos de identidade e 60 títulos de eleitor falsos, além de comprovantes de votação.

No dia 01 de dezembro, a justiça concedeu o habeas corpus revogando a prisão preventiva do parlamentar. No entanto, no dia da diplomação dos eleitos no Fórum do município, em 15 de dezembro, o juiz da 138ª Zona Eleitoral, Juiz Luís Gustamos Vasques, suspendeu a diplomação de Moriê alegando o fato dele estar impossibilitado de no momento exercer a função política de vereador e, “diante disso, não seria possível conceder a sua diplomação, pois haveria um risco de diplomar um candidato que, pelas provas robustas, teria utilizado meio fraudulento para se eleger”.

Em 6 de janeiro, o Desembargador Federal Dr. Hebert de Souza Cohn emitiu uma liminar que cassou da decisão do juiz eleitoral de Queimados e deu até 72 horas após presidente da Câmara, Milton Campos, tomar ciência do documento para dar posse ao vereador. O desembargador alegou em seu despacho que o fato de Moriê exercer a função de vereador não irá atrapalhar as investigações e de que o TRE de Queimados não pode interferir numa decisão que já fora proferida em instâncias superiores, no caso o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), “preservando assim a soberania popular”.

3 comentários:

  1. Lamentável...
    Essa posse é um acinte a democracia brasileira e a população queimadense.

    ResponderExcluir
  2. Verdade, cada vez mais me sinto um idiota, saindo de minha casa para votar.
    É tribunal regional, tribunal federal, ministério público, tudo faz parte da mesma engranagem que leva o país ao fundo do poço.

    ResponderExcluir
  3. Eu nunca mais voto em queimado é muita sujeira

    ResponderExcluir

A Revista Queimados é o maior veículo de comunicação da cidade!!!