segunda-feira, 8 de abril de 2013

Queimados promove "aulão" de capoeira

Créditos: Luiz Ambrósio
Felipe Carvalho-Rio. Desenvolvida no Brasil principalmente por descendentes de escravos africanos, a capoeira faz parte da história da cultura nacional. Muita coisa aconteceu dos tempos da escravidão para cá. Foram crises, proibições, perseguições e libertações. Atualmente, o esporte é reconhecido e praticado mundialmente por um número incalculável de pessoas. Em Queimados, essa prática esportiva é tratada com destaque, acontecendo duas vezes por semana, as quartas e sextas, na Vila Olímpica do Município, localizada na Avenida Maracanã - s/nº - Vila Pacaembu. Uma vez por mês, o espaço recebe um aulão aberto para todas as pessoas que gostam do esporte.

O Secretário Municipal de Esporte e Lazer, Luiz Carlos Monteiro Guimarães, afirmou que pretende estimular cada vez mais a prática esportiva da capoeira para a população. “O Prefeito Max Lemos nos orientou a cuidar das pessoas que frequentam nossa Vila Olímpica. E é isso que estamos buscando fazer, tornando este espaço em um local de tranquilidade e de promoção do esporte como inclusão. Pretendemos aproximar todos os segmentos e o objetivo do aulão de capoeira é reunir as pessoas para que elas passem a conhecer esse esporte e suas raízes culturais”, frisou Monteiro.

Esporte como instrumento educacional

Antônio José de Assis, 48, conhecido como Mestre Comprido é professor de capoeira da Vila Olímpica há 8 anos. O Profissional é conhecido por ensinar o esporte dentro do contexto educacional. “A cada troca de corda que acontece anualmente no mês de agosto, promovemos um curso didático-histórico sobre capoeira e avaliamos nossos alunos em duas disciplinas: a história do esporte e a chegada dos negros africanos ao Brasil. Só troca de corda, quem passar na prova”, afirmou Mestre Comprido.               

Sueli Ribeiro, 47, que acompanha rotineiramente as atividades esportivas do seu filho Lucas e da neta Júlia destacou o papel do esporte para a formação social das pessoas. “É importante à participação das crianças na prática esportiva, porque as incentiva para o exercício de um mundo melhor. A capoeira faz parte da cultura brasileira”, disse Sueli. Dejair do Nascimento, 66, avô de Arthur, afirmou que o esporte transformou a vida do neto. “Depois que o Arthur começou a praticar capoeira sua vida mudou. Ele passou a ser outro dentro de casa e na escola”, contou Dejair.

3 comentários:

  1. Boa tarde qual e a idade minima e maxima para fazer a capoeira.

    ResponderExcluir
  2. A partir dos 5-7 anos a criança pode ser colocada em escola de iniciação (natação, capoeira, danças, ginástica) sempre com objetivo de reforçar as habilidades específicas de cada um.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom! gostei da noticia!

    ResponderExcluir

A Revista Queimados é o maior veículo de comunicação da cidade!!!