sexta-feira, 8 de março de 2013

UFRRJ: a única opção de Universidade pública da Baixada sofre com condições precárias no transporte

Joyce Pessanha-Rio. Próximo a completar 103 anos, no dia 19/10, a Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro é, atualmente, a única opção de Universidade Federal para os estudantes da região da Baixada Fluminense. Mantendo hoje um campi em Nova iguaçu, que oferece pouquíssimos cursos, mantém na sua sede em Seropédica a única chance de cursos gratuitos para a população. Entretanto, o tempo de existência e sua expansão não acompanhou a melhoria de condições no transporte para os alunos. Todos os dias, calouros e veteranos sofrem com as poucas linhas oferecidas e número reduzido de ônibus rodando, principalmente à noite, na volta para casa.


Ao olhar o mapa, visivelmente é notado a proximidade do município de Seropédica dos demais da Baixada pela via Dutra, mas o único jeito de voltar para casa, hoje, é pegar a linha 544 – Nilópolis X Seropédica -, da empresa Ponte Coberta, que faz o trajeto pela Estrada de Madureira, passando pela comunidade Lagoinha, estendendo uma viagem que deveria ser de 30 minutos, para 2hrs. Apesar de a empresa declarar que os intervalos entre os ônibus da linha ser de 20 minutos, alunos relatam que passam até 1h esperando pelo ônibus, que é a única opção para voltar para casa.



A futura professora de Português no 8º período, Karina de Souza, mora em Queimados e também depende da linha. “Geograficamente, minha cidade fica a 25 minutos da minha faculdade, mas, simplesmente, não existe transporte que passe pela via Dutra, então tenho que depender do 544. Depois de esperar horas por ele, levo 1h pra chegar em Cabuçu, onde faço baudiação para outro ônibus até o centro de Queimados, para então pegar a última condução e enfim chegar na minha casa. Além de trabalhar e estudar, temos que enfrentar uma viagem desnecessária, já que pela Dutra seria infinitamente mais próximo, desconfortável, já que os ônibus vêm sempre lotados, e angustiante, uma vez que nunca sabemos se chegaremos em casa antes das 0h” desabafou.

6 comentários:

  1. Ok expôs o problema... Mas, e a solução?

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. o problema foi identificado, e a solução? já tem ?

    ResponderExcluir
  4. Só tem solução se a população reclamar, bater de frente. É o que está acontecendo. Agora, se ficarmos de boca calada, entende- se que está tudo bom.

    ResponderExcluir
  5. Alô ...assessoria de imprensa do MAX...leva a reinvindicaçao pra ele.....

    ResponderExcluir
  6. Engraçado como surgem "diversos" achando que seu silencio não se faz conivente com tal situação. Todos votaram no atual prefeito e agora pedem para que sua assessoria tome uma providencia perante ele?? Tenham dó.. Com todo o respeito, levantem estes traseiros do sofá, saiam desta inércia, porque se quisessem mesmo uma mudança já teriam feito algo, se pronunciado de alguma maneira assim como a colunista da matéria. Puseram o prefeito em seu cargo, agora cobrem o que lhes é de direito, exerçam o papel de cidadãos. Tomem para si a responsabilidade de mudança, não joguem para outros.

    ResponderExcluir

A Revista Queimados é o maior veículo de comunicação da cidade!!!