quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Queimados cria coordenadoria executiva de políticas sociais

Crédito: Luiz Ambrósio
Felipe Carvalho-Rio. O Prefeito Max Lemos (PMDB) se espelhou no exemplo do Governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral, que designou uma função especial para o vice Luiz Fernando Pezão, a de coordenador executivo dos Projetos e Obras de Infraestrutura do Estado, para criar através do decreto nº 1483/13, do dia 20 de fevereiro, a Coordenadoria Executiva de Políticas Sociais do Município, que será comandada pela vice-prefeita, Márcia Teixeira (PT).

O órgão tem como objetivo coordenar o planejamento, a gestão e a execução dos projetos e programas sociais, desenvolvidos pelas Secretarias da estrutura administrativa do Governo Municipal. As principais metas são ampliar os recursos oriundos do Governo Federal para a criação de creches e os programas sociais como o Bolsa Família e o Brasil Carinhoso e do Governo do Estado, com o Programa Renda Melhor e o restaurante popular, desenvolvido pela Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos.

De acordo com Márcia Teixeira, a coordenadoria criada pelo Prefeito Max Lemos dará suporte às secretarias que tratam diretamente da questão social e humana. “O Max tem a veia para cuidar da infraestrutura e da economia do Município. A minha grande paixão é cuidar da área social. Foi assim que comecei a minha trajetória há 10 anos atrás, quando coordenava uma ONG, que melhorou a vida dos moradores do Bairro Jardim Queimados. Hoje posso produzir ainda mais e por isso estarei em contato direto com todas as secretarias que lidam diretamente com as pessoas. Já solicitamos junto a Delegada da Polícia Civil, Marta Rocha uma Delegacia voltada para o atendimento exclusivo da mulher”, contou.

O Prefeito Max Lemos afirmou que a coordenadoria atuará diretamente na busca por verbas na área social.  “Estamos repetindo o que o Sérgio Cabral fez com o Pezão no Governo do Estado e tem dado muito certo. Esperamos que tenhamos êxito aqui em Queimados também. Em janeiro, participamos do encontro nacional dos prefeitos em Brasília e vimos que há muitos recursos que poderemos buscar na área social. Pretendemos ampliar os repasses do Governo Federal, com que temos uma boa relação, trazer novas creches para a cidade, para assim melhorarmos ainda mais a vida das pessoas”, frisou.

5 comentários:

  1. QUEIMADOS VIROU MAQUINA DE LAVAR!!!

    ResponderExcluir
  2. queimados estar sendo o inicio de uma nova era ,os Iluminatis bávaros . eles estão com as informações arcanas , eles tem o olho que tudo ver , eles são os “perfectibilistas”.

    ResponderExcluir
  3. Caraca! colocou: "Iluminatis bávaros, arcanas, "perfectibilistas"."
    E não colocou letra maiúscula em Queimados, por ser nome próprio e estar no início da frase, e não conjulgou o verbo estar, ter e ser corretamente.
    No seu caso, Queimados está sendo.
    Eles têm o olho que tudo vê.
    Só coloquei isso pelo seu nível de vocabulário.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (LER ATÉ O FINAL) À MEDIDA QUE ou NA MEDIDA EM QUE?
      Há uma diferença considerável entre as locuções à medida que e na medida em que. Basta atentarmos para o fato de que à medida que se aplica quando nos referimos à ideia de proporção, ao passo que na medida em que à ideia de causa ou condição.

      Vamos analisar as três frases abaixo:

      1 - À medida que se estuda, mais se amplia o conhecimento.
      2 - O corte no orçamento é injusto, na medida em que afeta principalmente a classe trabalhadora.
      3 - O último portão só deverá ser aberto na medida em que efetivamente ajudar a aumentar o fluxo dos visitantes.

      A primeira das frases nos remete ao sentido de proporção; a segunda, de causalidade; a terceira, de condição.

      O método prático para se saber qual locução usar é o seguinte: substitua as referidas locuções por à proporção que, desde que (ou pois ou porque) e por se. Vamos fazer as substituições na ordem apresentada:

      1 - À proporção que se estuda, mais se amplia o conhecimento.
      2 - O corte no orçamento é injusto, pois afeta principalmente a classe trabalhadora.
      3 - O último portão só deverá ser aberto se efetivamente ajudar a aumentar o fluxo dos visitantes.

      Sempre que se puder usar à proporção que, use à medida que (e não na medida em que). Por sua vez, sempre que se puder empregar se ou pois ou porque, use na medida em que (e nunca na medida que nem à medida que). Não existe a locução na medida que.

      Ficou demonstrado, portanto, que as substituições não alteraram o sentido das frases originais, de modo que as locuções foram devidamente aplicadas.http://portuguesdidatico.blogspot.com.br/

      Excluir
  4. Corrigindo.
    Os verbos são: estar, ter e ver.

    ResponderExcluir

A Revista Queimados é o maior veículo de comunicação da cidade!!!