sexta-feira, 13 de julho de 2012

Número de beneficiários do Bolsa Família em Queimados cresceu 472% desde o início do programa


Rosilene Marcelino mora com os três filhos, mãe e irmã, que está desempregada. O valor do Bolsa Família é R$ 166Leandro Machado, Rio- Com cinco filhos, a dona de casa Ana Paula Mendes de Souza, de 30 anos, faz malabarismo para sustentar a casa. Moradora do bairro Tricampeão, em Queimados, e beneficiária do Bolsa Família, do governo federal, Ana complementa os R$ 230 que recebe do programa fazendo bico como acompanhante de idoso e faxineira. Segundo o Ministério do Desenvolvimento, Queimados é a cidade da Baixada onde o número de beneficiários mais cresceu dede a criação do programa. Eram 2.300 famílias atendidas em 2004. Hoje são 13.170, um aumento de 472%. Ana está cadastrada desde o início:
— Com o dinheiro do programa, compro leite, fruta, material escolar. A cada 15 dias, uma caixa de ovos. Eles também gostam de pé, pescoço e carcaça de galinha.
Ana também cria porcos. Diz que é para o Natal.
— Dói quando eles falam que não vão ter roupa nova no Natal.

No bairro Copacabana, a vendedora Rosilene, cadastrada há seis anos, sustenta os três filhos, de 7, 8 e 10, com a bolsa de R$ 166. Com ela, moram também a mãe e a irmã desempregada. Ao valor do benefício é somado o que ganha com a venda de roupas de cama, que dá uma média de R$ 300 mensais.
— Meu pai é pedreiro e, quando tem trabalho, manda dinheiro. Comida aqui em casa é salsicha e ovo. Frango só no fim de semana. Quando me cadastrei, meus filhos ainda mamavam e o leite tinha dobrado de preço. O dinheiro veio em boa hora.

Mais de 40% não têm rendimento



Queimados é a terceira cidade da Baixada onde há mais pessoas acima de 10 anos sem qualquer rendimento (42,7%). Os dados são do Censo 2010 do IBGE. Perde apenas para Belford Roxo (43,09%) e Japeri (44,9%). Para Dário Sousa e Silva, pesquisador do Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais da Uerj, o principal efeito do Bolsa Família é aquecer a economia.
— Não é um programa para atender quem não tinha o que comer. É para gerar consumidores. Quanto mais consumidores, mais a indústria funciona, mais serviços são oferecidos e mais impostos se arrecada. É mais para a próxima geração do que para esta. Esse programa não tem êxito em menos de 20 anos.
Um estudo realizado pelo pesquisador da Escola de Pós-graduação em Economia da FGV (EPGE-FGV), Tiago Berriel, indica o que poderia reduzir a pobreza.
— O programa teria implementação melhor se o sujeito comprovasse estar trabalhando de alguma maneira.
A Prefeitura de Queimados atribuiu o crescimento de beneficiários a ações como com a ampliação da equipe de cadastramento e aumento dos pontos de credenciamento, entre outros fatores.

Leia a resposta da Secretaria de Assistência Social na íntegra:

O crescimento no número de beneficiários do Programa Bolsa Família, se deve primeiramente à descentralização do Cadastro Único para Programas Sociais (CadÚnico), pois, anteriormente, as famílias em situação de vulnerabilidade social tinham de se dirigir à coordenação do programa para efetuar seu cadastro. Hoje essas famílias podem realizar seu cadastramento em um dos oito Cras - Centros de Referência de Assistência Social, localizados em distintos bairros da cidade.
Outro fator relevante é a ampliação da equipe técnica nos equipamentos da Assistência Social, favorecendo o aumento da busca ativa no território de abrangência de cada Cras, identificando as situações de vulnerabilidades e risco social, posteriormente inserindo os dados destas famílias no CadÚnico e realizando o acompanhamento familiar.

Além disso, houve maior agilidade na inserção e atualização dos dados colhidos pelos entrevistadores, com a ampliação da equipe de cadastramento e do setor responsável, localizado na sede da Secretaria Municipal de Assistência Social.

A Prefeitura de Queimados, através da Secretaria Municipal de Assistência Social realizam as atividades norteadas pelo SUAS - Sistema Único de Assistência Social, atividades essas direcionadas para o alcance da promoção sociofamiliar, fortalecendo ou reestabelecendo os vínculos familiares e comunitários através de Grupos de Convivência e Fortalecimento de Vínculos.

Outra atividade para a promoção dos usuários atendidos pelos CRAS são os cursos de geração de trabalho e renda, entre eles, cabeleireiro, manicure, biscuit, corte e costura, etc.
No início desse ano o município foi contemplado com o Programa Renda Melhor, do Governo do Estado, que utiliza os dados do CadÚnico, como parâmetro para selecionar as famílias que recebem o Bolsa Família, e ainda sim encontram-se em situação de extrema pobreza. Foram beneficiadas 7.500 famílias reduzindo o índice de extrema pobreza no município de Queimados.


Fonte: Jornal Extra

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Revista Queimados é o maior veículo de comunicação da cidade!!!