sexta-feira, 16 de março de 2012

Petrobrás desmata 27 hectares na Reserva do Tinguá e descumpre lei de reflorestamento

Rebio - Reserva Biológica do Tinguá
O procurador da República Renato Machado informou, nesta quinta-feira, que o Ministério Público Federal (MPF) em São João de Meriti (RJ), apresentou denúncia contra a Petrobras por danos ambientais na zona de amortecimento da Reserva Biológica (Rebio) do Tinguá, na Baixada Fluminense. De acordo com o procurador, a estatal não fez o reflorestamento no local adequado, após desmatar 27 hectares de vegetação de Mata Atlântica para a implantar um gasoduto, causando impacto significativo ao ambiente.

Segundo o procurador, a ação se originou a partir de um inquérito civil público instaurado para acompanhar o licenciamento ambiental do gasoduto na reserva. Ele garantiu que, após a conclusão das obras, a Petrobras descumpriu a legislação que determina que a reposição florestal deve ser feita sempre na região próxima ao trecho desmatado.

"A Reserva do Tinguá, quando concedeu a autorização para o gasoduto passar ali, exigiu expressamente que o reflorestamento tivesse que ser feito nas próprias aéreas desmatadas ou em aéreas próximas, de forma que o meio ambiente se regenerasse o mais próximo possível do estágio anterior", disse. Mas, segundo Machado, o reflorestamento foi feito em terrenos particulares, aéreas distantes e em cidades que não foram atingidas pela passagem do gasoduto.

Segundo o procurador, os impactos ambientais causados ao bioma da reserva e aos municípios de Caxias, Japeri e Nova Iguaçu (estes dois fazem limites com o Município de Queimados)* só poderão ser reparados depois que as empresas responsáveis pelo desmatamento fizerem a reposição florestal exigida por lei.

A Petrobrás, procurada pela Agência Brasil, não comentou a denúncia do MPF.

*Acrescentado por Editor RevistaQueimados.com
Fonte: Agência Brasil (Portal Terra)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Revista Queimados é o maior veículo de comunicação da cidade!!!