terça-feira, 10 de novembro de 2009

Casamento, para ser duradouro, tem que ter sexo, dizem especialistas


Por:Simone Intrator

RIO - Há uma corrente que diz que o casamento, depois de algum tempo, destrói a vida sexual do casal. Outra que garante que casamento sem sexo não é casamento, é amizade. E quem quer ter uma vida a dois duradoura e com bastante saliência faz o quê? Segundo os psicanalistas, não pode deixar o desejo morrer. De acordo com uma pesquisa feita pelo psicólogo Barry McCartthy, Ph.D, professor de psicologia da American University, terapeuta sexual e terapeuta de casal, o maior problema dos casais é a falta de vontade. Em seu livro "Reacendendo o desejo", ele diz que aproximadamente 20% (um em cinco) dos casais não fazem sexo. Outros 15% fazem pouco sexo. Um em três casais que não casaram mas vivem juntos por mais de dois anos tem uma relação conjugal sem sexo. O especialista diz ainda que quando a sexualidade de um casal é boa ela é responsável de 15% a 20% da satisfação no casamento, mas se for ruim equivale de 50% a 70% do fracasso do casamento.



"No casamento, tem que ter sempre sexo bom e as pessoas devem batalhar por isso".

--------------------------------------------------------------------------------
.Para deixar a abstinência longe do relacionamento, homem e mulher precisam entender quais são os venenos de uma relação e o que pode ajudar para o sexo não cair na rotina. A psicóloga Monica Lobo, outra especialista no tema sexo e casamento, diz que na vida a dois o casal não pode perder a intimidade e a erotização. E que o desejo não é espontâneo, é uma resposta à provocação.

- No casamento, tem que ter sempre sexo bom. As pessoas devem batalhar ao longo da vida por isso. Há venenos para o relacionamento sexual: ressentimentos, timidez para fazer solicitações do que dá prazer, falta de intimidade, excesso de trabalho, receio em experimentar novas situações e técnicas eróticas - explica a psicóloga.

Ela diz ainda que existem três principais aspectos que destroem uma relação a dois: depreciar e humilhar o cônjuge em público; usar revelações íntimas do cônjuge como munição contra ele; não respeitar a fragilidade do cônjuge, usando-a contra ele.

Segundo Mônica, o sexo é o complemento de uma relação amorosa, de cuidado, de confiança. Mas o desejo tem um prazo de validade que vai depender do estilo sexual do casal.

Qual é o seu tipo de libido?
- O que mantém o desejo sexual vivo é a novidade. É preciso que haja sempre renovação e criatividade. Depende do exercício permanente do casamento. Para estimular a volta do desejo em um casal é importante que se trabalhe a antecipação positiva, isto é, enxergar o sexo como algo que traz prazer.

O psicólogo americano Barry McCartthy divide em quatro os estilos sexuais dos casais e destaca os pontos fracos e os fortes de cada um deles:

1) Complementar: o casal que divide as funções e tem flexibilidade para a troca de papéis.

Pontos forte - variabilidade e flexibilidade dos papéis sexuais

Pontos fracos - garantia da parceria e do excesso de segurança transforma o sexo em rotina.


2) Tradicional: minimiza os conflitos. Se organiza em torno de papéis tradicionais

Pontos fortes - previsibilidade, segurança e papéis definidos

Pontos fracos - não constroem intimidade. Baixa reciprocidade. Resistência a mudanças. Raramente chega aos consultórios dos terapeutas pela queixa do casal, vêm pelo filho.

3) Alma-Gêmea: proximidade e intimidade

Pontos fortes - aceitação plena. Auto-estima elevada

Pontos fracos - proximidade exagerada gera baixo erotismo

4) Emocionalmente Expressivo: erótico e imprevisível

Pontos fortes - abertura para expressão emocional e sexual

Pontos fracos - alta instabilidade. Se exaurem mutuamente.
Fonte: Jornal O Globo

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Revista Queimados é o maior veículo de comunicação da cidade!!!