quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Museu Olímpico vai desembarcar no Porto


A sede do comitê organizador dos Jogos também irá para a região, que será revitalizada para virar um polo residencial, de lazer e turismo

Rio - O projeto de revitalização da Zona Portuária do Rio ganhará contornos olímpicos. O prefeito Eduardo Paes disse ontem que incluirá nele a construção do Museu Olímpico, a exemplo do que já foi feito em outras cidades-sede. Ele também oferecerá espaço na região para instalar o Comitê Rio 2016, braço do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) que cuida da organização dos Jogos, hoje sediado na Barra. Sexta-feira, o prefeito deve anunciar a data de início das obras na área ao redor do Cais do Porto, que foram incluídas na proposta da candidatura da cidade feita ao Comitê Olímpico Internacional (COI).
O Projeto Porto Maravilha prevê a derrubada do viaduto da Perimetral, obra que custará aproximadamente R$ 1 bilhão. Foto: Divulgação

“O projeto não é imexível, pois não está totalmente definido, mas não se pode alterar tudo. Sugestões são bem-vindas. Sou suspeito para falar, porque se eu pudesse botava tudo lá (na Zona Portuária)”, afirmou Paes.
Como os responsáveis pelo departamento cultural do COB ainda estão na Dinamarca, participando de congresso esportivo, o comitê não divulgou detalhes sobre o projeto do Museu Olímpico. Mas já se sabe que ele terá amplo acervo de peças referentes a todas as modalidades esportivas existentes.

A revitalização da Gamboa, Santo Cristo, Saúde, parte de São Cristóvão e Praça Mauá será feita em duas fases ao longo de cinco anos. Na primeira serão aplicados R$ 385 milhões, provenientes do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e do governo federal. Um dos objetivos é transformar a área, hoje totalmente degradada, num polo turístico. A revitalização também contempla a construção de unidades residenciais.
Uma das principais obras, porém, acontecerá na segunda fase: a demolição do Viaduto da Perimetral, que deverá consumir cerca de R$ 1 bilhão. O projeto prevê a construção do Museu do Amanhã, da Pinacoteca do Rio e a instalação de linha de veículo leve sobre trilhos (VLT) — tipo de bonde elétrico — na Av. Rodrigues Alves, entre outras intervenções.

Saara também quer ficar de cara nova
Os comerciantes da Saara, no Centro do Rio, querem abocanhar uma fatia dos R$ 88 bilhões em recursos públicos e privados que a cidade receberá para os Jogos Olímpicos. Eles estão montando o Comitê Olímpico da Saara, com o objetivo de reivindicar ao poder público investimentos para a revitalização das 11 ruas que formam o maior centro de comércio popular da cidade.
“Queremos receber melhor o nosso público e para isso precisamos de reurbanização. Estamos elaborando o projeto e vamos mostrá-lo ao governo do estado e à prefeitura”, disse Ênio Bittencourt, presidente da Sociedade de Amigos e Adjacências da Rua da Alfândega.
O comitê convidará o governador Sérgio Cabral e o prefeito Eduardo Paes para visita oficial à Saara, quando eles serão homenageados com o troféu Mascate de Bronze. Com público estimado de 120 mil pessoas aos sábados e 70 mil nos dias úteis, a Saara sofre com problemas na rede de iluminação, pavimentação e nas fachadas de lojas.
Fonte: Jornal O DIAONLINE

Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Revista Queimados é o maior veículo de comunicação da cidade!!!